E quando acaba a bebedeira Ele consegue nos achar num bar

Padrão

Eu que falei nem pensar
Agora me arrependo roendo as unhas
Frágeis testemunhas
De um crime sem perdão

Mas eu falei sem pensar
Coração na mão
Como um refrão de um bolero
Eu fui sincero como não se pode ser

Um erro assim, tão vulgar
Nos persegue a noite inteira
E quando acaba a bebedeira
Ele consegue nos achar num bar

Com um vinho barato
Um cigarro no cinzeiro
E uma cara embriagada
No espelho do banheiro

Teus lábios são labirintos
Que atraem os meus instintos mais sacanas
O teu olhar sempre distante sempre me engana

Eu que falei nem pensar
Agora me arrependo roendo as unhas
Frágeis testemunhas
De um crime sem perdão

Mas eu falei sem pensar
Coração na mão
Como o refrão de um bolero
Eu fui sincero como não se pode ser

Um erro assim tão vulgar
Nos persegue a noite inteira
E quando acaba a bebedeira
Ele consegue nos achar num bar

Teus lábios são labirintos
Eu sigo a tua pista todo dia da semana
Eu entro sempre na tua dança de cigana

Teus lábios são labirintos
Que atraem os meus instintos mais sacanas
E o teu olhar sempre distante, sempre me engana
Eu sigo tua pista todo dia da semana


About mundoparticularlay

Sou um ser humano. Pelo menos, suponho ser. Talvez mais que uma máquina ridícula de idéias antiquadas e sonhos impossíveis, porém honestamente, é isso que sou, mas me contento em olhar pro futuro e pensar que minhas idéias não são tão estúpidas e que, com grande esforço meus sonhos poderão virar realidade. Posso ser de um tudo (indiferente, excêntrica, implícita, exagerada, intensa, instigante, irônica, sarcástica, anti-social, incoerente, chata, cínica, entediada e por vezes entediante). A dona do ócio improdutivo, praticante do sedentarismo, inoperante, procrastinadora ostensiva. Sou perfeccionista, desastrada, arrependida e azarada, desmemoriada e ciumenta embora, tranqüila, sincera, tímida, tola, ingênua, compassiva e entregue. Não sou perfeita e tenho sérios problemas com a perfeição posso ser várias e mesmo assim, continuar sendo uma só. Então é isso, posso ser incomum, mas convivo bem com as diferenças, só não espere que eu incorpore as “normalidades”...

One response »

  1. Down em mim
    Cazuza
    Composição: Frejat/Cazuza

    Eu não sei o que o meu corpo abriga
    Nestas noites quentes de verão
    E nem me importa que mil raios partam
    Qualquer sentido vago de razão
    Eu ando tão down
    Eu ando tão down

    Outra vez vou te cantar, vou te gritar
    Te rebocar do bar
    E as paredes do meu quarto vão assistir comigo
    À versão nova de uma velha história
    E quando o sol vier socar minha cara
    Com certeza você já foi embora
    Eu ando tão down
    Eu ando tão down

    Outra vez vou te esquecer
    Pois nestas horas pega mal sofrer
    Da privada eu vou dar com a minha cara
    De panaca pintada no espelho
    E me lembrar, sorrindo, que o banheiro
    É a igreja de todos os bêbados
    Eu ando tão down
    Eu ando tão down
    Eu ando tão down
    Down… down

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s